1-10 of 54

Página:
  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5

Governo de Porto Rico burlado em mais de 2,6 milhões de dólares através de esquema de phishing

Executivo local foi burlado com um email que indicava supostas alterações numa conta bancária que beneficiava de um pagamento mensal do governo.
Governo de Porto Rico burlado em mais de 2,6 milhões de dólares através de esquema de phishing

O governo de Porto Rico foi burlado em mais de 2,6 milhões de dólares na sequência de uma fraude orquestrada através de um esquema de phishing. A Associated Press relata que uma agência pública autorizou a transferência de fundos no passado dia 17 de janeiro, mas o incidente só foi descoberto esta semana.

O executivo local já está a trabalhar com o FBI numa investigação para recuperar o dinheiro perdido.

Ruben Rivera, diretor financeiro da agência responsável pelo desenvolvimento industrial da região, confirmou à Associated Press que a agência recebeu um email que alegava uma suposta mudança numa das contas bancárias que beneficiava de um pagamento mensal do executivo. De seguida, o governo efetuou um pagamento para a conta que alegadamente substituía a antiga.

Não se sabe como é que as autoridades descobriram estar a ser alvo de um esquema fraudulento, nem se as operações do governo foram substancialmente impactadas pela perda dos fundos.

A fraude recorda-nos do perigo associado a esquemas do género, principalmente por estarmos a falar do governo de Porto Rico. Por culpa de um olho menos atento, Porto Rico acabou por perder mais de 2,6 milhões de dólares. O facto de a região estar a meio de uma recessão agudiza o impacto deste esquema de phishing que pode vir a prejudicar a vida de milhares de famílias locais.

Fonte: SapoTek

Posted By Quioskemmme Quioskemmme

Google News poderá pagar aos meios de comunicação pelas notícias que produzem

Embora a Google consiga gerar grandes quantidades de tráfego para os websites dos órgãos de comunicação, a empresa nunca pagou diretamente pelo conteúdo presente na sua plataforma de notícias.

Google News poderá pagar aos meios de comunicação pelas notícias que produzem

A Google poderá pagar aos meios de comunicação pelo conteúdo que produzem. Ao que tudo indica, a criação de um serviço de subscrição de notícias poderá estar nos planos da gigante de Mountain View. De acordo com declarações de fontes internas ao The Wall Street Journal, a Google já entrou em negociações com alguns órgãos de comunicação europeus, na sua grande maioria franceses.

“Queremos ajudar o público a encontrar jornalismo de qualidade, pois este é importante para a criação de uma Democracia informada e de um sistema noticioso sustentável”, afirma a Google em comunicado à imprensa internacional.

“Preocupamo-nos profundamente com este assunto e já estamos em conversações com possíveis parceiros”. A empresa acrescenta que também está à procura de formas de levar mais além o trabalho que já realiza com os media, tendo por base programas como o Google News Initiative.

A realização de acordos de licenciamento poderá ser um momento decisivo para os meios noticiosos. É verdade que a Google consegue gerar grandes quantidades de tráfego para os websites dos órgãos de comunicação, no entanto, a empresa nunca pagou diretamente pelo conteúdo presente na sua plataforma de notícias.

Recorde-se que, em outubro de 2019, o Facebook anunciou os seus planos para lançar uma aba completamente dedicada a notícias na sua plataforma. De acordo com o The Wall Street Journal, a empresa liderada por Mark Zuckerberg deixou claro que estava disposta a pagar cerca de 3 milhões de dólares por ano a cada meio de comunicação que participasse no projeto.

Posted By Quioskemmme Quioskemmme

Poderá o dinheiro físico desaparecer? Relatório revela que pagamentos digitais são cada vez mais populares

A Oliver Wyman revela que o aumento exponencial de pagamentos digitais poderá trazer consigo o fim do dinheiro como o conhecemos. Neste panorama, a conceção de serviços financeiros está a mudar para várias empresas.

O mais recente relatório da Oliver Wyman revela que 25% de todos pagamentos realizados na Europa, nos Estados Unidos e America Latina com cartões bancários são feitos online. À tendência identificada em 2019 soma-se também o aumento exponencial dos pagamentos digitais através de serviços como o Apple Pay. A consultora norte-americana afirma que, perante a grande popularidade das novas formas digitais, o dinheiro físico poderá desaparecer em breve.

Em Payment Plus Q1 2020 a Oliver Wyman destaca a entrada de empresas como a Amazon, Facebook, Apple e Google no setor das finanças como um dos factores que mais impacto teve na forma como os consumidores fazem pagamentos.

A Apple, por exemplo, conta com um número cada vez maior de cartões de crédito e de débito registados no Apple Pay. A consultora norte-americana aponta que cerca de 20% dos utilizadores do serviço da empresa da maçã optaram por pagar através da plataforma em pelo menos uma das compras que fizeram. Não obstante, a grande “rival” da Apple é a Samsung que conseguiu alcançar mais de 21% dos utilizadores com o serviço de disponibiliza.

A consultora indica que a conceção de serviços financeiros está a mudar para as empresas, pois os pagamentos são agora considerados como uma fonte de receita e de crescimento da rentabilidade. Assim, são várias as organizações que estão a alterar os seus modelos de negócio.

A banca, por exemplo, é das instituições que mais vai sofrer com as mudanças no setor das finanças. A entrada de novos concorrentes no mercado dos pagamentos e a possibilidade de o dinheiro físico vir a desaparecer vão obrigá-la a estar num processo constante de reinvenção.

Fonte. Sapo Tek

Posted By Quioskemmme Quioskemmme

Sony poderá lançar novo PlayStation VR depois da PS5 chegar ao mercado

A PS5 chega no próximo Natal, por isso, é provável que um novo sistema de realidade virtual seja lançado apenas em 2021. Mas ainda antes de a PS5 se estrear no mercado, a Sony está a ter algumas dificuldades em manter o seu preço acessível.

Além de estar a trabalhar no desenvolvimento da próxima geração da PlayStation, a Sony poderá lançar uma nova versão do PlayStation VR. Ao que indicaram fontes internas da empresa japonesa à Bloomberg, o headset de realidade virtual será lançado após a chegada da PS5 ao mercado.

Em maio de 2019, Dominic Mallinson, vice-presidente para o sector de investigação e desenvolvimento da Sony, já tinha dado a entender que a empresa estava a trabalhar no sucessor do PlayStation VR. De acordo com o responsável, a novidade traduzir-se-ia numa linha de vários aparelhos de realidade virtual, sendo que a chegada de um headset sem fios era também uma das possibilidades sob a mesa.

Em dezembro do ano passado, a Sony registou uma patente que refere um equipamento de VR com um design marcado pela ausência de cabos, algo que sugere uma ligação wireless à consola.

Uma vez que a PS5 tem uma data de chegada prevista para o Natal de 2020, é provável que o novo sistema de VR da Sony seja lançado apenas em 2021. No entanto, enquanto o PSVR 2 ainda não chega, os gamers poderão jogar os títulos de realidade virtual do PlayStation VR original na PS5. Recorde-se que, ao todo, a empresa conseguiu vender 4,2 milhões de sistemas de VR.Ainda antes de a PS5 se estrear no mercado, a Sony está a ter algumas dificuldades em manter acessível o preço da consola. A Bloomberg avança que o custo de produção de uma única unidade ronda os 450 dólares, um aumento significativo em comparação com os 380 dólares da PS4.

A Sony não está a conseguir garantir a quantidade de componentes de memória necessárias para a produção em massa da PS5, algo que se poderá refletir no preço final da consola. Além disso, os custos da empresa têm vindo a ser mais elevados devido à especificidade dos componentes do novo equipamento.

Fonte: SapoTek

Posted By Quioskemmme Quioskemmme

Dreams chega à PlayStation 4 e permite aos jogadores construirem os seus próprios sonhos

Do mesmo estúdio de LittleBigPlanet, esta nova experiência é igualmente uma caixa de ferramentas para os jogadores criarem os seus próprios jogos e vídeos.

A Media Molecule é um estúdio britânico que faz parte da família de estúdios internos da PlayStation, autores de grandes sucessos como LittleBigPlanet e Tearaway. Para além de ser elogiada pela originalidade e qualidade dos seus jogos, a produtora descobriu em LittleBigPlanet uma fórmula de criação e partilha de conteúdos pelos próprios fãs bastante apreciada pela indústria, que iria inspirar a Nintendo em Mario Maker.

É exatamente essa a base do “Jogar, Criar, Partilhar” de Dreams, que acaba de chegar às lojas em exclusivo para a PlayStation 4. O estúdio britânico oferece assim todas as ferramentas que os jogadores necessitam para criar videojogos, níveis, homenagens, desafios e as menos prováveis experiências que pode encontrar, tudo graças à criatividade da comunidade. E para mostrar todo o potencial do editor, que se espera intuitivo, a Media Molecule criou uma aventura no modo história e outros níveis, recorrendo apenas e em exclusivo à caixa de ferramentas do jogo. E por isso é que contém o selo “Made in Dreams”. Ou se quisermos, “realizado em sonhos”…

O jogador assume o papel de um imp, uma simpática criatura que no fundo serve de cursor para interagir com os elementos do cenário. Pode puxar ou arrastar objetos, assumir as personagens, executando ações, desde a exploração das plataformas dos níveis. Estes são sonhos interligados, e oferecem puzzles diferentes para resolver através das habilidades da criatura e objetos que encontra.

E para incentivar a partilha dos criadores de conteúdos, a PlayStation Portugal já havia anunciado uma Game Jam online, que arranca hoje até domingo, dia 16 de fevereiro, sob o tema “o significado de ser português”. Os participantes habilitam-se a ganhar 500 euros em carregamentos na sua carteira PSN para gastar na PS Store.

No que diz respeito ao jogo, o estúdio apresenta um formato narrativo, totalmente em português, chamado O Sonho de Art, que serve no fundo para compreender algumas das mecânicas possíveis de criar, enquanto conta a sua história. Neste caso trata-se um antigo músico de jazz enquanto sonha sobre a sua vida, situações do passado e do presente, descobrindo que precisa de corrigir a sua ligação com os seus membros da banda.

O menu principal do jogo funciona como uma espécie de rede social de acesso aos conteúdos, sejam eles criados pelo estúdio, identificados pela Media Molecule, mas também de outros jogadores. E a listagem dos conteúdos é destacado pelas tendências tendo em conta os “likes” e o número de vezes que são jogados. E basta percorrer o mural de trabalhos para ver algumas coisas interessantes que foram produzidas no lançamento antecipado do jogo, incluindo reproduções de Super Mario, Tomb Raider, assim como jogos de plataformas, naves e outros. O editor pode ser partilhado com outro jogador, de forma a produzirem níveis e puzzles em cooperação.

Fonte: SapoTek

Posted By Quioskemmme Quioskemmme

Dica: Quanto tempo demora a BIOS a arrancar? O Windows 10 tem essa informação

Todos querem ter o computador mais rápido e que consegue dar o melhor com o mínimo de recursos. Esta é uma corrida constante e que nem sempre consegue bons resultados. Essencial neste processo é ter as ferramentas certas.

Para além de medir a velocidade de arranque do Windows 10, importa sobretudo contabilizar o tempo de outros componentes. Um deles, a BIOS, é normalmente esquecido. O que poucos sabem é que o sistema também tem acesso a este tempo.

Informação útil para o Windows 10

Todos os que controlam os tempos de execução e arranque do Windows por norma deixam um valor por contabilizar. Este importa para saber o tempo que o sistema leva a arrancar na sua totalidade, desde o momento em que carregamos no botão de iniciar.

A Microsoft complementou o seu sistema e dá ao utilizador informação certamente útil em locais que provavelmente não eram esperados. Entre estes está o tempo de arranque da BIOS, que está localizado no Gestor de Tarefas.

Saiba o tempo que leva a BIOS a arrancar

Após abrirem este gestor de processos do Windows 10, devem verificar que existem vários separadores no topo da sua janela. O que devem usar chama-se Arranque e concentra a informação sobre o início do Windows.

Aqui dentro, como já mostrámos, estão principalmente as aplicações que vão ser iniciadas com o arranque do Windows 10. Para além desta informação, a Microsoft deu-lhe igualmente uma informação adicional extremamente útil. Falamos do tempo de arranque da BIOS.

Informação útil que a Microsoft recolhe

Este valor está no canto superior direito da interface, com o valor “Última data/hora da BIOS”. O tempo que estiver aqui será o valor que procuram. Poderá e deverá ser somado ao valor de arranque do Windows 10. Caso o valor surja em branco, isto significa contudo que a BIOS não fornece esta informação.

Mais uma vez inegavelmente fica provado que a Microsoft dá aos seus sistemas a informação necessária para os utilizadores fazerem a sua gestão. Esta está espalhada pelas interfaces, nos locais onde é necessária e útil.

Fonte. Sapo Tek

Posted By Quioskemmme Quioskemmme

Estados Unidos avançam com nova acusação contra Huawei por extorsão e roubo de informação

A mais recente acusação do governo norte americano contra a empresa chinesa inclui o roubo de segredos comerciais de seis empresas tecnológicas norte americanas e é dirigida também à CFO, filha do fundador da Huawei.

A tensão geopolítica entre os Estados Unidos e a China continua a aumentar e a lista de acusações à Huawei também. Depois de ter colocado a Huawei na "lista negra" de entidades com as quais o país não mantém negócios, os Estados Unidos avançam agora com uma nova lista de acusações contra a empresa chinesa, que incluem extorsão e conspiração para roubo de informação confidencial. As novas acusações foram avançadas ontem e a Huawei já reagiu, negando estas práticas.

O processo deu entrada num tribunal de Nova Iorque e a Huawei é acusada de violar o Racketeer Influenced and Corrupt Organizations Act (RICO). As novas acusações dos promotores públicos ampliam a ação que os Estados Unidos mantêm contra a Huawei e a sua CFO, Meng Wanzhou, filha do fundador da empresa, Ren Zhengfei, que foi detida no Canadá em 2018 e cuja extradição para os Estados Unidos está a ser analisada em Tribunal.

No processo apresentado pelo Departamento de Justiça a Huawei é acusada de roubar segredos comerciais, como código fonte e tecnologia de robótica, de seis empresas norte americanas, entre as quais a T-Mobile. As acusações incluem ainda negócios com a Coreia do Norte e a assistência ao governo do Irão em sistemas de vigilância interna.

A Huawei já reagiu numa declaração oficial onde afirma que os Estados Unidos pretendem bloquear a sua expansão por ser uma ameaça aos interesses comerciais norte americanos. A companhia alega que este novo processo não é mais do que a junção de várias acusações civis que nunca foram provadas e garante que os EUA não vão prevalecer com estas acusações que considera injustas e infundadas.

A acusação mais recente contra a Huawei inclui informações que alegam que a Huawei tentou roubar segredos comerciais de seis empresas diferentes de tecnologia dos EUA e "fez declarações repetidas a funcionários dos EUA, incluindo agentes do FBI e representantes do Comité Permanente de Inteligência da Câmara dos EUA, sobre seus esforços para desviar segredos comerciais", refere o documento.

Ao todo a Huawei e a sua CFO enfrentam agora 16 acusações de conspiração e extorsão, referindo-se que a empresa chinesa tinha um programa de recompensas para os seus funcionários que obtinham informações confidenciais de seus concorrentes.

"Como parte do esquema, a Huawei alegadamente lançou uma política que institui um programa de bónus para recompensar funcionários que obtiveram informações confidenciais de concorrentes", indica o comunicado do Departamento de Justiça dos Estados Unidos. "A política deixa claro que os funcionários que fornecerem informações valiosas deveriam ser recompensados ​​financeiramente".

O documento refere que a Huawei recrutava colaboradores de empresas concorrentes e usava também professores e investigadores em departamentos de investigação neste processo. Desta forma tiveram acesso a propriedade intelectual de seis empresas tecnológicas norte americanas, código fonte, manuais de routers de internet, tecnologia de antenas e de robótica.

As acusações abrangem ainda quatro subsidiárias oficiais da Huawei e outrs referidas como não oficiais, assim como a CFO da empresa. Estão nesta lista a Huawei Device Co. Ltd. (Huawei Device), Huawei Device USA Inc. (Huawei USA), Futurewei Technologies Inc. (Futurewei) e a Skycom Tech Co. Ltd. (Skycom). Alegadamente s práticas estendem-se a mais de uma década.

A saga da guerra comercial entre a Huawei e os Estados Unidos já é longa e culminou com a inclusão da empresa na "entity list" em maio do ano passado, mas as suspeitas em relação à fabricante chinesa existam já desde 2011. Desde essa data têm vindo a ser feitos adiamentos a um bloqueio efetivo, cuja última moratória terminaria agora a 18 de fevereiro. Em questão, estavam "riscos inaceitáveis" para a segurança nacional, uma vez que os EUA alegavam, se bem que sem provas, que empresa chinesa poderia estar a instalar backdoors nos seus produtos para ter acesso a informação sensível.

Fonte: SapoTek

Posted By Quioskemmme Quioskemmme

No dia de S. Valentim não é só o amor que está no ar. As ciberameaças também andam “à espreita”

De acordo com a Kaspersky, os hackers não perdem uma oportunidade para aproveitar-se dos utilizadores mais incautos e até o dia mais romântico do ano é um pretexto para atacar. Cuidado com o malware do "amor".

A evolução tecnológica vivida nas últimas décadas fez com que todos os aspetos da nossa vida se tornassem muito mais digitais e as relações amorosas não são uma exceção à regra: que o diga o crescente número de aplicações de encontros disponíveis. No entanto, os cibercriminosos não perdem uma oportunidade para tentar aproveitar-se dos utilizadores mais incautos e até o dia de São Valentim é um pretexto para atacar.

Uma investigação da Kaspersky revela que, em 2019, os hackers propagaram 1.963 ficheiros disfarçados de aplicações de encontros legítimas. A empresa de cibersegurança indica que dois terços dos ficheiros maliciosos estavam ocultos no Tinder e um sexto estava escondido no Badoo.

A empresa de cibersegurança alerta para outro perigo que tem vindo a ameaçar a segurança dos utilizadores e das suas relações amorosas: o stalkerware. O software é frequentemente utilizado em relações amorosas, em casos onde um dos parceiros sente que necessita que vigiar tudo o que o outro faz. Os programas são executados de forma oculta nos dispositivos das vítimas sem que estas notem ou consintam à sua utilização.

De acordo com um recém-publicado relatório, entre janeiro e agosto do ano passado, a Kaspersky registou mais de 518.223 casos de stalkerware em todo o mundo. Os números representam um aumento de 373% em comparação com o mesmo período em 2018. Só em Portugal, a empresa registou 93 casos nos primeiros oito meses de 2019, o que representa um aumento de 28% em relação a 2018, onde foram identificadas 67 ocorrências.

Os esquemas de phishing também afetam as aplicações de encontros. A Kaspersky afirma que existe uma abundância de cópias falsas de plataformas como o Tinder a circular na Internet. Os utilizadores que são “pescados” pelas estratégias dos hackers acabam por comprometer os seus dados pessoais, os quais são muitas vezes vendidos no “mercado negro” online.

Para não deixar que os cibercriminosos estraguem o dia mais romântico do ano, a Kaspersky recomenda algumas medidas de prevenção. Os utilizadores em busca de uma cara-metade em aplicações de encontros devem sempre instalá-las de fontes confiáveis, verificando as permissões que lhes concede no seu smartphone ou tablet.

A partilha de demasiada informação pessoal com desconhecidos é outra prática a evitar. A Kaspersky aconselha os utilizadores a confirmar se as pessoas com quem falam na web são, de facto, verdadeiras e não perfis criados por hackers para cometer fraudes.

Fonte:Sapo Tek

Posted By Quioskemmme Quioskemmme

Unpacked: Galaxy S20 Ultra e Z Flips são as novas joias da coroa da Samsung

A Samsung está a realizar em São Francisco o evento para mostrar a sua nova geração de smartphones Galaxy, Galaxy Buds Plus, o Z Flip e outros equipamentos.

Chegou o grande dia de apresentação das novidades da Samsung para os próximos meses. A fabricante coreana antecipa-se à Mobile World Congress para revelar ao mundo o Galaxy S20, a nova geração do seu topo de gama. Mas não só, há outras revelações já confirmadas para o evento, nomeadamente o seu novo smartphone dobrável, o Galaxy Z Flip, revelado oficialmente durante a noite dos Óscares, confirmando assim os inúmeros rumores que o novo equipamento foi alvo.

Samsung oficializa o nome do seu novo smartphone dobrável: Galaxy Z Flip

Rebecca Hirst abre o evento do Unpacked ao tom do novo smartphone dobrável da Samsung. “Hoje damos um novo grande passo em frente, com a apresentação do Galaxy Z Flip”, confirmando assim o nome do equipamento. O tamanho do ecrã é de 6,7 polegadas e chega em três cores: mirror purple, mirror black e mirror gold, neste caso para mercados selecionados. Foi também confirmado que no pequeno ecrã externo é possível ler notificações, as horas e atender chamadas. Tem um vidro ultra-fino, "capaz de enfrentar as leis da física", destaca Rebecca Hirst. Tem o primeiro sistema punch-hole num smartphone dobrável, o chamado "Flex Mode". O smartphone vem acompanhado de uma assinatura YouTube Premium.

O smartphone pode ser utilizado em diferentes posições, nomeadamente a 90 graus como o SAPO TEK já tinha adiantado. Salienta ainda o sistema de dobradiça, considerado o "calcanhar de Aquiles" dos smartphones dobráveis, com uma tecnologia que não deixa fendas ou orifícios onde se deposita sujidade, demonstrando assim que aprendeu com os erros do Galaxy Fold original.

O smartphone é lançado a partir do dia 14 de fevereiro, a arrancar nos 1.380 dólares.

Roh Tae-moon, o novo líder da divisão de smartphones da fabricante sul-coreana, ocupando o cargo de DJ Koh, e restante equipa, estreou-se nas apresentações do Unpack, destacando que a inovação pode estar de mãos dadas à segurança. No seu discurso salienta as capacidades do 5G e deixa a promessa de levar a quinta geração a mais público. De mãos dadas com o 5G, salienta a palavra "convergência" com experiências de IA e IoT que cada vez mais são parte da vida das pessoas. Garante ainda mais segurança nos seus equipamentos, salientando o Knox, revelando parcerias importantes com empresas como a Netflix que depositam na empresa a proteção.

Família Galaxy S20 ganha versão "Ultra"

Esta introdução serviu para o novo líder da divisão mobile apresentar o esperado Galaxy S20, um dos segredos mais "mal guardados" dos últimos tempos. O SAPO TEK já teve oportunidade de o experimentar, numa apresentação de antecipação do equipamento.

No centro da experiência do novo smartphone está a fotografia. A fabricante quer oferecer aos seus utilizadores as melhores experiências de captura, seja num concerto ou festa de anos de um filho, e por isso, reconstruiu o conjunto de lentes. Uma das promessas é manter a imagem cristalina depois de um corte de uma porção de imagem, ou quando se capta algo à distância com o zoom. O sistema é ajudado pela inteligência artificial.

Anteriormente a Samsung demonstrou ao SAPO TEK que em vez de partilhar apenas as tradicionais specs, com número de câmaras, megapixels, abertura e qualidade de zoom, a marca fez uma opção inteligente de partilhar casos de uso, mais fáceis de entender pelo consumidor, mesmo o que já se considera "pro" na fotografia. Mesmo no vídeo, confirma-se os leaks da "revolução" prometida pela fabricante, ao gravar em 8K.

A Samsung revelou uma parceria com a Netflix para o entretenimento. O objetivo da parceria é oferecer a melhor experiência de integração dos seus produtos nos smartphones da empresa. Vai também haver conteúdos exclusivos, como o Behind the Scenes do Narcos Mexico nos canais da Samsung. Uma parceria semelhante ao que a empresa sul-coreana fez o ano passado com a Epic Games para o Fortnite, ao receber o jogo em exclusivo temporário em Android. Ao pesquisar conteúdos no Bixby da empresa, por exemplo, Stranger Things, será logo listado os episódios da série para fazer o download no próprio sistema da Samsung. A parceria estabelece assim uma maior integração do Netflix no ecossistema do Galaxy.

Ainda sobre integrações, a emprsa estabeleceu uma parceria com a Google para oferecer uma experiência de Google Duo, tanto no Galaxy S20 como no Z Flip. O sistema permite enviar mensagens instântaneas em vídeo aos seus contactos, por exemplo. A parceria com a Google extende-se ao 5G, smartphones dobráveis e acessibilidade nos equipamentos da Samsung. A união das duas empresas pretende assim estabelecer uma ponte eficaz entre o hardware e o sistema operativo.

Há ainda uma parceria com a Microsoft para a integração da Xbox no smartphone, e revelou Forza para o smartphone. Mais importante é que a fabricante está no barco para quando a Microsoft lançar o seu serviço de gaming em streaming, o xCloud. Ainda no que diz respeito ao gaming, o ecrã a 120 Hz oferece imagens mais nítidas e fluídas.

A nova família Galaxy recebe a versão Ultra, com um sensor de 108 MP, que pela demonstração parece um autêntico "telescópio" tal a distância (x100) que captura imagens. O Galaxy S20 vai sair em três tons: Azul Nuvem, Cinzento Cósmico e Rosa Nuvem. O Galaxy S20+ em Azul Nuvem, Cinzento Cósmico e Preto Cósmico. E o Galaxy S20 Ultra 5G: Cinzento Cósmico e Preto Cósmico. Os três modelos estarão disponíveis em loja a partir de 13 de março de 2020 em cores . O preço para o Galaxy S20 é de 929,90 euros, para o Galaxy S20+ 1.029,9 euros e na versão 5G será 1.129,90 euros. O Galaxy S20 Ultra 5G tem um preço de 1.379,9 euros. As pré-vendas começam hoje, dia 11 de fevereiro. Com limitação ao stock existente, os consumidores que pré-comprarem um Galaxy S20+ ou Galaxy S20 Ultra 5G recebem de oferta um par de Galaxy Buds+ (preço de 169,9 euros). Há ainda uma versão especial inspirada pelos Jogos Olímpicos do Japão.

A Samsung confirmou ainda os novos Galaxy Buds Plus, prometendo mais autonomia, assim como qualidade de som, mas sobretudo um sistema de microfones para que mantenha uma chamada telefónica em locais com mais ruído. O sistema chega às lojas já no próximo dia  14 fevereiro por 169,90 euros.

EM ANTEVISÃO

O Unpacked tem início às 19:00 e como é habitual, o SAPO TEK vai acompanhar em tempo real o que for revelado por Roh Tae-moon, o novo líder da divisão de smartphones da fabricante sul-coreana, ocupando o cargo de DJ Koh, e restante equipa. Poderá acompanhar a conferência com transmissão em direto a partir do website da Samsung. Mas o que já sabemos?

O poder do Samsung Galaxy S20

A Samsung é considerada a empresa mais “transparente” da indústria no que diz respeito a leaks. Praticamente todas as novidades antecipadas batem certo com a revelação oficial e sobre o Galaxy S20 são várias as informações, incluindo o vídeo de publicidade que foi o mais recente leak de antecipação como pode ver em baixo.

Na verdade, a revelação dos novos smartphones Galaxy S20 foram revelados “sem querer” pela fabricante no início do mês, nas suas plataformas comerciais europeias. Apesar do “erro” da publicação antecipada, como se costuma dizer, “uma vez na internet, para sempre na internet” e os modelos foram rapidamente registados pela imprensa internacional. Em primeiro lugar a mudança de nome da linha, invés da geração 11 da linha S, este mudou de S11 para S20, tal como a Huawei faz com os seus modelos, nomeando-os de 10 em 10.

O novo modelo apresenta uma câmara frontal centrada no topo do ecrã, em forma de punch hole. O equipamento será acompanhado de uma capa com diversos LEDs embutidos que fazem lembrar um “céu estrelado”, o que faz sentido na galáxia da Samsung.

No mês passado novos leaks mostraram que a próxima geração introduz uma variante de luxo no segmento, o S20 Ultra 5G, aquele que será o estado de arte da indústria dos smartphones. Este modelo poderá ter até 1 TB de memória interna, expandida por cartões SD, internamente terá o máximo de 512 GB. Esta versão terá ainda opções de 12 e 16 GB de RAM. Terá uma câmara principal com um sensor de 108 MP, uma secundária de 48 MP e uma terceira de 12 MP ultra grande angular, além de zoom ótico de 10X.

Ainda segundo as especificações adiantadas, terá uma bateria de 5.000 mAh com opção de carregamento rápido a 45 W, será capaz de o carregar totalmente em 74 minutos. As estas especificações junte-se a nova geração de processadores que também se tem vindo a falar: o Snapdragon 865 nos equipamentos vendidos nos Estados Unidos e o Exynos 990 nos restantes territórios.

No caso do Exynos 990, este terá 4K a 150 FPS e 8K a 30 FPS. É ainda referido que o novo processador da Samsung venha a suportar uma taxa de refrescamento do ecrã de 120 Hz. Os especialistas sugerem que este ano o Snapdragon 865 e o Exynos 990 vão ombrear para se destacar como o mais poderoso chip para smartphones.

Galaxy Z Flip: o novo dobrável da família

Relativamente ao novo dobrável, o Z Flip, a Samsung revelou durante a noite de Óscares um teasing muito interessante do smartphone. Ao escrutinar o pequeno vídeo é possível discernir algumas das suas funcionalidades, destacando-se o pequeno ecrã exterior, ao lado da câmara fotográfica. Este apresenta informações minimalistas, como a data e hora, assim como notificações e o estado da bateria. O teasing mostra ainda que este ecrã complementa o toque da chamada com o nome da pessoa em agenda, permitindo ainda aceitar ou rejeitá-la deslizando o dedo.

Há ainda uma grande ênfase no Google Duo para chamadas em vídeo mostrado no vídeo de publicidade. Neste caso para mostrar o smartphone com o ecrã dobrado a meio, numa posição de 90º, de forma a colocá-lo em cima da mesa para chamadas em mãos livres. E é uma informação interessante, já que no caso do Galaxy Fold, a fabricante aconselha a utilizar o equipamento totalmente aberto, em forma de tablet, para evitar rasuras a meio do ecrã.

Quanto a características técnicas, os rumores iniciais indicam que o Z Flip vai contar com um ecrã de 6,7 polegadas, com 2.636 x 1.080 de resolução. O vidro de proteção vai ser mais durável do que aquele que cobre a tela do Galaxy Fold; e o processador deverá ser um Snapdragon 855 Plus. A RAM deverá chegar aos 8 GB e não existirá qualquer entrada para auriculares ou cartões. O armazenamento interno, por sua vez, deverá chegar aos 256 GB.

Galaxy Buds Plus com mais autonomia e Home Mini

Os pequenos auriculares Galaxy Buds Plus poderão também ser revelados durante a conferência. Nos leaks divulgados, é referido que a sua autonomia pode ser de 7/8 horas, considerando que 3,5 horas a tocar música alta ainda mostrava 54% de bateria.

Relativamente ao Galaxy Home Mini irá suportar muitos dos recursos que esperamos das colunas inteligentes já existentes, incluindo tocar músicas do Spotify ou disponibilizar informações sobre a meteorologia ou definir alarmes. Para além disso, o equipamento pode ser emparelhado com outro para que se consiga um melhor som estéreo, assim como receber notificações para equipamentos da linha smarthings, por exemplo.

Pelo leak, a coluna inteligente não possui uma porta de entrada para jack de 3,5mm, que parece ser alimentada por uma entrada micro USB em vez de uma USB-C, de acordo com uma fotografia da parte de trás. Max Weinbach relata ainda que o equipamento suporta apenas Wi-Fi de 2,4 GHz, sem 5 GHz "à vista".

Fonte: SapoTek

Posted By Quioskemmme Quioskemmme

Primeiras impressões: Samsung Galaxy S20 tem o conceito de “utilização Pro” da fotografia gravado no ADN

As funcionalidades de fotografia dominam os novos Samsung Galaxy S20 que surgem em três modelos, todos com características de topo de gama. O Ultra é o que puxa mais pela criatividade.

A Samsung ainda está a apresentar os novos modelos Galaxy S20, que já tinham sido alvo de muitos leaks, e agora mais à vontade com uma concorrência mais limitada da Huawei.

Num evento de participação limitada, tivemos oportunidade de conhecer as características, experimentar as funcionalidades e até saber um pouco mais sobre as opções técnicas e de design dos novos S20. E o que vimos e testámos convenceu-nos de que, mais uma vez, a Samsung acertou na combinação de elementos para tornar este telefone um sucesso de vendas.

A fotografia é o centro do ADN dos novos smartphones e a Samsung deixou isso bem claro na apresentação que fez. Mas em vez de partilhar apenas as tradicionais specs, com número de câmaras, megapixels, abertura e qualidade de zoom, a marca fez uma opção inteligente de partilhar casos de uso, mais fáceis de entender pelo consumidor, mesmo o que já se considera "pro" na fotografia.

Desta vez a Samsung decidiu apresentar três modelos, mas nenhum é uma versão "reduzida", que pode vir a ser lançada mais tarde. Os novos Galaxy S20, S20+ e S20 Ultra chegam ao mercado a 13 de março mas ficam já hoje disponíveis em pré-venda, com preços a partir de 929 euros em Portugal, para o modelo S20 4G, mas que chegam aos 1.579 euros no S20 Ultra 5G com 512 GB de armazenamento e 16 GB de memória RAM que só chegará ao mercado mais tarde.

Todos têm processador Exynos 990 octa core de 7 nm, ecrãs Quad HD + Dynamic AMOLED, memória RAM a partir de 8 GB (e até 16 GB de RAM no Ultra), e baterias poderosas, a partir de 4000 mAh e  carregamento rápido com Fast Wireless Charging 2.0. O Ultra é recordista também aqui, com uma bateria de 5ooo mAh.

A dimensão dos ecrãs varia entre as 6,2, 6,7 e 6,9 polegadas (respetivamente para o S20, S20 + e S20 Ultra) e é curioso como a Samsung que "inventou" os ecrãs curvos tem agora displays cada vez mais planos, e finos. Uma opção justificada pelo feedback dos utilizadores e porque assim evita problemas de menor sensibilidade ao toque nas margens, uma falha que já tínhamos criticado em modelos anteriores da marca.

Mais fotografia e melhor vídeo

A Samsung sabe a fotografia é cada vez mais importante na escolha de um telemóvel, e que é por aqui que passa a decisão de fazer um upgrade aos equipamentos. Ninguém quer fotografias desfocadas, olhos vermelhos, videos tremidos... E o objetivo é conseguir sempre as fotografias e takes perfeitos, em todas as situações, que depois se partilham nas redes sociais.

A qualidade dos sensores é um elemento chave para este resultado final mais perto da perfeição, independentemente do "olho artístico" e da capacidade de manipular as configurações, mas a utilização da inteligência artificial para detetar o objeto fotografado, e conseguir adaptar a abertura da câmara, a luz e o foco é o "ingrediente" secreto. Na verdade é cada vez menos secreto, porque são várias as marcas que já o utilizam, mas tem vindo a ser apurado a cada nova geração de smartphones.

Fonte: Sapo Tek

Posted By Quioskemmme Quioskemmme

1-10 of 54

Página:
  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
>